A PALAVRA DO FUNDADOR

A PALAVRA DO FUNDADOR

Santo Claudino Verzeleti

A criação da Academia de Ciências Contábeis do Rio Grande do Sul partiu do desejo de ver a classe dos empresários da Contabilidade organizados e atentos às suas normas.
E, a fim de solidificar o intento, fundou-se, primeiramente, uma entidade denominada Associação das Empresas de Serviços Contábeis do Planalto Médio (Asescoplam), com abrangência em todo o Norte do Rio Grande do Sul.

Entre seus objetivos, destacam-se os seguintes:

a)             Organizar a Academia de Ciências Contábeis do RS.

b)            Promover a ciência contábil como cultura.

c)             Realizar preleções sobre a Contabilidade e a profissão contábil.

d)            Organizar e manter uma biblioteca.

e)             Lutar pela união da classe.

f)             Pleitear, em seu favor, estudos e debates políticos.

g)            Promover concursos e trabalhos sobre a Contabilidade.

Seu estatuto foi registrado no Cartório de Ofício dos Registros Especiais, sob nº1446, fl. 186 verso, e 187, do Livro A, número 3, em 31 de julho de 1990.

Em sequência, cumpriu-se o disposto no Capítulo VI: Dos Departamentos; Art. 28 letra A, com a criação da Academia de Ciências Contábeis do Rio Grande do Sul, na data de 22/09/2002.

A nova entidade foi registrada no Tabelionato de Protestos de Títulos/ Registro Civil de Pessoas Jurídicas, à fl. 78 verso, sob nº 3467, em 20 de junho de 2003.

A Academia possui caráter cultural e científico, sem fins lucrativos e com as seguintes finalidades:

I-             Congregar contabilistas de alto saber e ilibada reputação, além de expressões da cultura contábil.

II-          Estimular o desenvolvimento cultural, assim como promover solenidades, cívica e comemorativa, de acontecimentos históricos relevantes para a Contabilidade.

III-       Integrar-se com outras universidades, por meio dos cursos de Ciências Contábeis, com Centros Acadêmicos e com outras academias desse gênero, no Brasil e no exterior, visando o aperfeiçoamento da Ciência Contábil.

Assim sendo, pelos longos anos em que permaneci vinculado a essa causa, quer pela estreita observância às normas que regem a atuação do profissional em atividades comerciais, quer pelo amor e devotamento aos princípios da Ciência Contábil, e após longa peregrinação como profissional bem sucedido nesta área, estou convicto de fui bem sucedido e colhi os melhores frutos.

E, a par dessa atuação e experiência, assumi também o Sindicato da classe, ou seja, da Federação dos Contabilistas do Rio Grande do Sul, bem como do Conselho Regional de Contabilidade.

Nessa tarefa, obtive louvores de parte de alguns, e dissabores, de outros. Na soma de tudo, porém, deixei meu legado como uso fruto, para os futuros confrades.

Fundou-se a Academia com extremo amor e dedicação, e assim se pretende que continue, buscando sempre a evolução técnica e científica, além da transmissão de experiências aos colegas, na departamentalização dos escritórios de Contabilidade, em que nossa entidade foi pioneira.

Sugiro aos colegas Contadores que se aprimorem dia a dia, tendo em vista as rápidas alterações das normas que regem a área contábil.

Precisamos preparar-nos, pois, como bem sabemos, a “Contabilidade é uma ciência autônoma, com a função de estudar e desenvolver as técnicas de apropriação, registro, exposição e liquidação, tanto em termos de moeda, como de operações, negócios e transações das aziendas”.

Em sua maior parte, os tratadistas estão de acordo em considerar a Contabilidade como ciência, e a escrituração mercantil como arte, na aplicação dos princípios científicos da Contabilidade.

Por fim, devo deixar aqui uma palavra de louvor, a todos os tratadistas e autores de obras sobre a ciência contábil, por seu empenho em mantê-la integra e eficaz.

O tempo urge, e sua rapidez nos obriga a estar preparados para tomar decisões sensatas, em tudo o que diz respeito à Ciência Contábil.